Café com Vodka
19:52
19:50 minusmanhattan:

Hello New York. 
23:07"Os médicos disseram que Dona Nenê, mãe do meu chefe, tem 4 meses de vida. Isso mobilizou a minha alma. Pior que saber que a vida é cheia de surpresas, é ter a certeza que daqui a qualquer mínimo tempo, a fragilidade da vida pode me tirar desse mundo. É a razão e a fé de mãos dadas. Partir lentamente, amando devagar, sendo privilegiada pelo previsto e se despedindo para a eterna viagem. Isso me desarmou. Talvez, a vida seria realmente mais gratificante se me desse conta de que cada abraço pode ser fatal, cada beijo pode ser o último, qualquer palavra ferida pode ser irreversível ou que a despedida pode ser para sempre. Entrei numa guerra comigo, sem qualquer tipo de armas. Trouxe uma flor. Descarreguei qualquer munição de egoísmo com meus problemas. Se falta dinheiro, se perco o emprego, se discuto em casa, se alguém me magoa: todos os meus problemas incuráveis ficaram minúsculos. A contagem regressiva para a morte ainda assim não prepara nosso coração. É um evento sempre imprevisível, doloroso e irreparável para quem fica, mesmo que para viver eternamente de alma." — Fran Hop. (via velhocaos)

(Source: franhop, via velhocaos)

22:53
21:43
21:34 deposito-de-tirinhas:

por “Diario de una volátil” by Agustina Guerrero
21:12 
fica a expectativa 
20:54 bl-ossomed:

vegan-hippie:





rainy summer morning

Roadtrip.

OMFG. 

okay this looks like literally the most perfect thing I could ever ever do omg my heart I want itttt ahhhh cant handle it rain + road trips + coffee it’s too much, too much i say

ahh i love this photo so much

Dream
20:40
20:39"Querida Terezinha. Quanto tempo a gente leva para repousar os olhos nas pessoas ao nosso redor? E ir deslizando pelos pequenos detalhes, na beleza não manifesta e, ao mesmo tempo, ofuscante? Quanto tempo a gente leva para repousar os olhos nos olhos do outro, sem qualquer pressa, sem procurar ali dentro o próprio reflexo? Foi esses dias, eu aninhei as mãos de minha avó por dentro das minhas, encostando o meu rosto em seus dedos tão frios, como se ela tivesse acabado de nascer em seu corpinho já envergado pelo tempo e marcado pelos dias… Naquele segundo, eu entendi que nada era mais urgente, nem mais importante, do que ouvir a minha avó reaprendendo a falar… E que eu sequer começaria a ver alguém - além de mim mesma - se não pudesse enxergar as pessoas para as quais olhei a vida inteira." — Rita Apoena. (via velhocaos)

(via velhocaos)